Na trilha, te encontrei

Um dia, jovem ainda,
Perguntei a todo mundo
O que é a vida?
Ela mesma me respondeu:
Caminha!
Firme, dei meu primeiro passo:
Falei com um filósofo,
Que me afirmou: Deus não existe.
Parei, olhei para o espaço.
Procurei Deus. Nada vi.
A vida se mostrou arredia, a mim, uma sem Deus.
Mas meu corpo era livre,
Livre do pecado original,
Podia banhar-me nua no rio, sem a água batismal.
A música, a dança, a sensual,
Ritmavam os meus passos,
E o viver escrevia a resposta tão ansiada:
A vida é um fato, permita-se exercê-la.
Olhe-a, sinta-a, ouça-a, toque-a,
Experimente o gosto do “fruto do pecado”.
Busca o outro.
E atéia te encontrei.
Sem deus. Sem pecado.
Podes me tocar inteira.